bpo
Gerenciar um restaurante corporativo requer muito cuidado e agilidade. São inúmeras notas emitidas por diversos fornecedores, questões de logística e estoque, gerenciamento de recursos humanos e, além disso, é necessário um olhar especial voltado ao “coração do negócio” – que é a cozinha. Manter o padrão de qualidade deve ser prioridade, mas os demais aspectos não podem ser ignorados para que o sucesso seja alcançado.

Para que tudo saia dentro do previsto todos os esforços devem ser concentrados e, embora o tempo seja artigo de luxo no mundo corporativo, é possível otimizar a gestão do seu negócio de forma eficiente sem perder o foco em seu segmento. Essa é a função do Business Process Outsourcing (BPO) que, significa nada mais que terceirizar processos de negócios.

Atualmente existem empresas especializadas que fazem todo o fluxo burocrático que envolve digitalização e armazenamento de notas fiscais e documentos para posteriores auditorias, por exemplo. E vão além: dando suporte na área contábil, de controladoria, de estoque, oferecendo até galpões e escritórios compartilháveis. A ideia é auxiliar e garantir o aumento da produtividade, flexibilidade interna e a redução de custos.

A aplicação do BPO – seja em qualquer setor – permite que os empreendedores tenham controle sobre todas as informações de forma dinâmica e, consequentemente, agilidade para desenvolver estratégias com foco no negócio em si. O food service, por exemplo, sinaliza a necessidade da implantação desse modelo de gestão. No entanto, é preciso buscar ferramentas e prestadores de serviços que possuam know-how para garantir que os resultados sejam alcançados. Quando implantado com eficiência em uma cozinha industrial, aliado a um software moderno, os benefícios são muitos.

Selecionamos 08 principais benefícios que você obtém na implantação correta de um BPO

1 – Dados fidedignos:
Os relatórios são gerados diariamente a partir do banco de dados de cada unidade, o que garante um panorama sempre atualizado das movimentações realizadas.

2 – Acompanhamento de uso dos sistemas e processos:
Através do gerenciamento diário é possível verificar se os colaboradores estão usando o sistema em sua totalidade e quais são as dificuldades que mais necessitam de atenção;

3 – Identificação de desvios e sugestões de melhorias:
Com base nos relatórios gerados é possível analisar se os custos planejados e realizados estão próximos ao padrão e, de acordo com o custo tendência, pode-se observar qual será o impacto financeiro do serviço ou da unidade.

4 – Redução dos custos de matéria-prima:
É possível analisar se o planejamento do cardápio está gerando impactos negativos ou positivos em cada unidade e, partir disso, se necessário, fazer uma nova elaboração do mesmo.

5 – Precisão na identificação do custo dos produtos:
Os relatórios geram a possibilidade de análise do custo real do produto e, a partir disso pode-se optar pela reformulação do cardápio e do remanejamento dos serviços e fornecedores, se necessário.

6 – Oportunidades de possíveis reduções de custos:
A partir das observações de per capita, do custo do produto e das combinações de cardápio é possível sinalizar onde estão os gastos extras que podem ser reajustados e garantir uma redução de custos final.

7 – Melhoria dos processos e dos produtos:
Tem-se a possibilidade de redefinir a utilização do produto na combinação do cardápio.

8 – Aprimoramento do desempenho:
Uma espécie de ranking é criado para apontar a eficiência de cada unidade; assim pode ser verificado se os lançamentos estão sendo realizados e se, de fato, os custos estão sendo reduzidos.