alimentação escolar

As férias estão acabando e, com a volta as aulas, logo mais as famílias brasileiras voltam à rotina acelerada. A alimentação escolar entra na lista das preocupações dos pais, que entre compra de materiais, livros e uniformes também precisam planejar a alimentação dos filhos fora de casa.

Na correria do dia a dia, dedicar um tempo para o preparo dos lanches diários nem sempre é uma opção e a única alternativa é contar com o que as lanchonetes instaladas nas escolas oferecem. No entanto, dar o dinheiro ao filho e deixa-lo escolher o que comer pode não ser tão simples assim.

Com intervalos cada vez menores, muitas vezes o aluno perde todo o tempo do recreio enfrentando a fila do caixa e, em seguida, outra fila para pegar sua merenda. O que era para ser um momento de recreação acaba gerando confusão e estresse.

Qual pai nunca passou pela situação de esquecer de tirar dinheiro e não ter em espécie para dar o filho para comprar seu lanche? Indo um pouco além na problematização: em uma época em que a obesidade infantil está se alastrando por todo o mundo, qual o controle que os pais têm quanto à qualidade da escolha do filho na hora de se alimentar sozinho?

Todas essas questões têm muita relevância e é preciso que toda a comunidade escolar – pais, educadores e gestores – estejam atentos à soluções que possam garantir praticidade e qualidade para todos.

Uma boa alternativa é contar com softwares voltados para a gestão de vendas em escolas que possibilitem mobilidade e diversas funcionalidades específicas garantindo segurança e conforto nesse tipo de transação.

Não seria interessante acelerar as vendas através de terminais de autoatendimento, aumentar o faturamento, reduzir a mão de obra, controlar o estoque e ainda oferecer a possibilidade da compra online dentro da loja física? Existem soluções no mercado que vão além e ainda possibilitam a fidelização e o cadastro dos clientes.

Todas essas utilidades não beneficiam apenas a lanchonete. Através de um aplicativo, com poucos cliques os pais conseguem ter uma interação maior nesse momento – ainda que distante. Além de limitar os gastos diários podendo efetuar recargas através de cartões de crédito, débito e alimentação, também é possível ter um controle mais eficaz e quanto aos alimentos que integram alimentação tradicional dos filhos.

É possível tornar essa experiência flexível e menos burocrática. As escolas precisam se atentar na escolha dos fornecedores de lanche – que, por sua vez, também precisam ficar por dentro dos avanços tecnológicos que podem modernizar e fomentar os negócios.