Mobilidade tecnológica. Como o próprio nome sugere: “estar em movimento”. E, quando falamos esta palavra, é impossível não associarmos seu significado à tecnologia. Os dispositivos móveis estão aí para nos provar que a relação é tão comum que passou a fazer parte de uma conexão direta entre cada fator envolvido.

O constante avanço tecnológico claramente nos possibilitou outra percepção sobre o conceito de mobilidade. Por isso, a ideia de dissociar a palavra em questão de tablets ou smartphones, por exemplo, parece ilógico, uma vez que nosso cotidiano é constantemente permeado por todo o tipo de ferramenta semelhante.

Imersos em um cenário descrito como “digital”, é natural que, ainda que indiretamente, todos sejamos influenciados pelo meio. E, no caso do âmbito corporativo, a situação não foi diferente.

A adesão à mobilidade trouxe novas perspectivas a nível de mercado. Organizações se aderiram aos recursos digitais para suprir lacunas, além de obter um diferencial perante à concorrência. Em 2017, cerca de 70% das empresas evidenciaram o investimento em tecnologia mobile.

O dado nos revela uma tendência relevante no comportamento, não apenas dos gestores, mas da sociedade como um todo. E, mais que optar por contextualizar seu empreendimento aos dispositivos móveis, é saber fazê-lo da forma correta, evitando gastos não revertidos em boas experiências aos clientes e usuários.

Mas, afinal, por que investir em mobilidade tecnológica é tão importante?

Mobilidade Tecnológica: um bem necessário!

Você sabia que, no ano de 2017, os smartphones foram responsáveis por 59% dos acessos à internet na América Latina? Analisando a generosa fatia que compõe a estatística, conclui-se que não investir em mobilidade torna-se uma estratégica incoerente com o mercado.

Quando falamos de empresas que oferecem produtos como softwares de gestão, por exemplo, a adaptação ao formato mobile deve se incorporar no planejamento dos empreendedores. O mesmo também vale para serviços oferecidos. São grandes os benefícios agregados pela atenção ao formato mobile. Tanto que fazemos questão de enumerar alguns para fortalecer o argumento.

A vantagem mais proeminente que a mobilidade oferece já está subentendida em seu próprio nome. Ao adaptar os sistemas de gestão aos dispositivos móveis, como tablets e celulares, o acesso por parte dos gestores e colaboradores torna-se mais abrangente, não limitando-se apenas ao espaço físico da empresa. Poder gerir a organização de qualquer lugar também é essencial para quem o faz, principalmente os que não se encontram, na maioria das vezes, na sede da organização.

A não-limitação ao espaço físico da empresa, gerada pela mobilidade, também torna o fluxo de informações ainda mais assertivo. O acesso em tempo hábil, e de qualquer lugar, contribui para a atualização mais ágil dos dados.

Por exemplo, uma atualização ou relatório que pode ser gerado, independente de onde o colaborador esteja, a algum cliente ou prospect, por exemplo, tornará o processo mais apurado e prático. 

Já para os clientes, a ferramenta mobile contribui para um contato mais apurado com a organização. Por exemplo, poder contar com um suporte online, que poderá ser acionado a qualquer momento, também de qualquer lugar, faz com que a comunicação seja mais efetiva. Estreita-se os laços com a empresa e ainda contribui para um atendimento mais eficaz por parte da equipe de colaboradores.

Já estou imerso no cenário móvel, e agora?

Se você faz parte da porcentagem dos gestores que já investem em tecnologia mobile, é necessário atentar-se a alguns detalhes para não tornar o seu empreendimento ineficaz em algum sentido.

O primeiro detalhe a ser observado é se o site ou software da empresa é responsivo. Isto é, se o layout se adapta à tela do seu smartphone ou tablet de maneira funcional, de forma o tornar a navegação do usuário mais fluida.

Uma dica é sempre se colocar no lugar do cliente para entender os possíveis ajustes a serem feitos. Por isso: foque em plataformas responsivas!

O tempo de carregamento do site nos dispositivos móveis também é um detalhe muito importante. Este fator pode, inclusive, influenciar no processo de conhecimento entre o cliente e a sua empresa.

No varejo, por exemplo, vemos que um segundo de delay (tempo de atraso) no carregamento pode influenciar as conversões no mobile em até 20%.

Mais uma vez, coloque-se no lugar do cliente: você teria paciência para esperar o carregamento de um site ou software que apresenta grandes taxas de lentidão? É importante atentar-se a isso.

Caso seu produto disponha de um aplicativo como ferramenta de acesso ou conversão, é essencial que uma análise seja feita em seu desenvolvimento. Atente-se aos possíveis bugs (erros) que o sistema pode apresentar. Estas disfunções acabam interferindo, de alguma forma, na sua experiência e também na do cliente.

O seu aplicativo disponível para download na loja virtual? Este é outro detalhe que deve ser avaliado. Tornar o seu produto ou software acessível faz a diferença para quem busca por uma solução, ainda que de forma indireta, na internet ou em lojas virtuais de aplicativos.

Conclusão

Se estamos na era da mobilidade digital, devemos aprender com cada ferramenta disponibilizada. Procurar desenvolver cada funcionalidade da melhor maneira mais adequada aos colaboradores e clientes é uma meta.

Funcionalidades digitais, se já não existentes, serão adaptadas ao formato mobile. Por isso, é preciso atentar-se, no momento da pesquisa, se o software pode ser executado em dispositivos móveis, como tablets e smartphones.

É aquela ideia já conhecida por muitos: pensar e agir local e globalmente. E, claro, com agilidade e eficácia que a mobilidade é capaz de proporcionar.

Somos uma empresa mobile e oferecemos todas as funcionalidades descritas no post ao seu negócio. Entre em contato conosco e saiba mais!

O que achou do texto? Pensa que os dispositivos capaz têm muito a contribuir ao seu empreendimento, serviço ou produto? Não deixe de comentar! 🙂