Os emissores gratuitos de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) seriam suspensos a partir do dia 1º janeiro de 2017, como havia anunciado a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (SEFAZ-SP).

O motivo seria o baixo número de usuários, uma vez que um levantamento feito pela Instituição apurou que 93,3% das empresas optaram por outras soluções para a emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) e 97,4% para CT-e. Com a baixa adesão, a SEFAZ-SP chegou a orientar que os contribuintes migrassem para outros sistemas.

No entanto, a decisão foi revogada já que o órgão firmou parceria com o SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – que fornecerá o sistema a partir de julho de 2017. Até a data, a SEFAZ-SP continuará disponibilizando o download do aplicativo e fornecendo as devidas atualizações.

A Secretaria da Fazenda do Maranhão também irá dispor do sistema através do código da fonte cedido pela SEFAZ-SP. Em nota de divulgação da parceria, a Fazenda reintegra que as empresas estão aderindo a outros sistemas para a emissão de Nota Fiscal Eletrônica e a grande maioria já não utiliza mais os sistemas gratuitos.

Oportunidade

Os contribuintes que utilizam o software gratuito foram impactados pelas notícias e já estão em busca de uma solução que supra a necessidade de emissão dos documentos fiscais eletrônicos.

Mesmo com a permanência do sistema gratuito, é importante avaliar os benefícios em adquirir softwares. Um bom sistema poderá suprir as necessidades fiscais, contábeis e auxiliar na gestão apresentando indicadores, otimizando processos e reduzindo custos.

Talvez esse seja um bom momento para cogitar uma transição e pesquisar as soluções disponíveis no mercado.

Escrito por Central de Vendas

Publicação de informações baseadas nos principais questionamentos dos nossos clientes. O conteúdo é pesquisado interna e externamente para garantir respostas relevantes e de cunho gerencial.

Ver todos artigos do autor