Cada segmento de mercado requer uma forma de gestão, e isso também varia de empresa para empresa. Entre os vários assuntos que envolvem essa situação, está o desafio de encontrar sistemas que atendam à espeficidade ou a maneira peculiar como cada organização funciona.

Há casos em que os gestores optam por desenvolver seus próprios sistemas, baseando-se em suas próprias experiências, porém vários obstáculos no decorrer desse processo se tornam agravantes que os impedem de seguir em frente. Esta pode parecer a opção mais barata, mas “no fritar dos ovos” ou “no andar da carruagem”, nota-se que, além de dinheiro, desperdiçou-se tempo, e até mesmo a concorrência pode ter passado à frente nessa altura do campeonato.

Quando se tem que fazer uma integração com um backoffice, a situação tende a ficar pior. Manter uma equipe de alta performance e superar – ou mesmo acompanhar – as inovações que as software houses oferecem em tempo hábil é praticamente impossível, já que a atividade fim da empresa não é o desenvolvimento de sistemas. Isso sinaliza que esse não é o melhor caminho.

Olhando para uma outra vertente desse panorama, podemos observar a performance de empresas que adotaram um ERP como sistema único – que trata tudo de maneira generalizada – e deixam de usufruir uma série de benefícios que uma solução vertical geraria. Essas empresas costumam também adquirir outros sistemas que causam a necessidade de criar vários pontos de integração, formando uma colcha de retalhos capaz de trazer consequências prejudiciais dos mais diversos tipos, como retrabalhos durante os processos e dificuldades em integrar informações importantes para análise e tomada de decisão.

Falta, então, considerar todas as vantagens de utilizar um sistema único para gerenciar tanto a área operacional, quanto a administrativo-financeira dentro da própria empresa, pois no food service existe uma gama de situações únicas que merecem atenção dobrada. Os principais benefícios são a simplificação e agilização dos processos internos, maior segurança das informações e, consequentemente, redução dos custos relacionados à administração dos dados e infra-estrutura necessária para manter tais sistemas em pleno funcionamento.