Segurança da empresa: precisamos dialogar sobre ela!

Segurança da empresa. Você sabia que uma organização, que centraliza todos os dados importantes para seu funcionamento em máquinas ou sistemas internos, pode estar vulnerável a perdê-los? Estamos falando de ataque virtuais, falhas internas e outras adversidades que acometem, tanto hardwares, quanto softwares. Dessa forma, registros como dados dos clientes, fornecedores, contas a pagar e receber, ou vendas, podem estar em perigo!

Apesar de parecer óbvio para muitas pessoas, a situação é mais comum do que se pode imaginar. De acordo com a pesquisa da companhia global de análise de riscos, Kroll, 85% das empresas sofreram ataques virtuais no ano de 2016. O dado nos revela que, apesar de todas as ferramentas desenvolvidas para garantir a segurança do usuário, a incidência de malwares no cenário corporativo permanece relativamente alta.

A perda de dados relevantes por parte das empresas pode ocasionar em vários transtornos e, consequentemente, prejuízos. Afinal, em muitos casos, o dano acaba interferindo, não apenas na performance da organização, como também no relacionamento com seus clientes. Mas, enquanto gestor ou colaborador, você entende a quais riscos a sua companhia está exposta?

É importante ter em mente que, a partir do momento em que as empresas possuem dados criptografados, elas estão sujeitas a ataque cibernéticos. É o caso do sequestro de dados, por exemplo, também conhecido também como Ransonware. Trata-se de um malware que, mediante bloqueio do sistema ou máquina, impede o acesso a registros, exigindo um resgate para liberação. Vale lembrar que, sem o pagamento do sequestro ou cópia no backup, a fonte dos dados deixa de funcionar completamente.

 

Segurança da empresa: como a equipe pode se preparar?

O banco de dados, adotado por grande parte das organizações, detém todos os registros essenciais para que a empresa funcione. É a parte mais importante do sistema computacional, diga-se de passagem. E, em caso de perdas, não há como criar informações novamente no software. Percebe a gravidade da situação?

Para evitar riscos e prejuízos, medidas podem, e devem, ser adotadas para evitar o ataque ao banco de dados. É importante, por exemplo, que as equipes de TI se atentem em manter os softwares atualizados, garantindo seu funcionamento integral. Lembrando que todo cuidado é pouco no momento de baixar atualizações de sites dos fabricantes, pois há risco de perda dos registros.

Além disso, adotar uma “política de backups”, garantindo o armazenamento dos dados tanto em âmbito físico quanto digital (nuvem) é outra alternativa. São opções que garantem a segurança da empresa, sobretudo quanto aos registros importantes. Alocar os arquivos na nuvem, por meio de aplicativos como Google Drive ou Dropbox, também resguardam a companhia. Ferramentas acessíveis e de baixo custo, o que torna a adoção das mesmas indispensável.

A capacitação dos profissionais que possam identificar possíveis ameaças na rede, também é essencial para a segurança da empresa. Dispor de colaboradores que estejam atentos quanto às armadilhas de malware diminui riscos de perdas e danos. Por exemplo, profissionais que saibam identificar um e-mail recebido (como falsa publicidade de banco ou crediários) e caracterizá-lo como spam.

A restrição quanto ao acesso de sites na companhia também é uma opção interessante para aumentar a segurança da empresa. Impedir o ingresso a endereços não só minimiza o risco de ataques virtuais, bem como aumenta a produtividade da equipe como um todo.

Conclusão

Orientar os colaboradores quanto às ameaças, como spams, e outros links de origem desconhecida que chegam ao e-mail da equipe, é de suma importância. O ideal é que a informação seja dada internamente. Seja por meio de divulgação de e-mail MKT, ou até mesmo uma apresentação sobre o assunto. Usar exemplos demonstrativos torna a informação ainda mais assertiva.

Nenhuma empresa está ilesa aos ataques virtuais. Contudo, a adoção de estratégias, que objetivam reduzir o contato com malwares, aumentam o parâmetro de segurança da companhia e evitam que dados sejam perdidos, minimizando, consequentemente, prejuízos de grande magnitude à corporação.

E você, enquanto gestor(a) ou colaborador(a), é adepto a alguma prática visando a segurança da empresa? Não deixe de comentar!

2018-12-07T10:20:31+00:008 de março, 2018|Notícias|

Deixar um comentário

11 − 4 =