Como melhorar o trabalho do gerente de unidade no restaurante corporativo?

Como aprimorar o trabalho da gerente de unidade e garantir o máximo de qualidade ao servir refeições?

Empresas de alimentação corporativa, ou da área de alimentação coletiva, atendem a vários clientes, e às vezes, a várias unidades de um só cliente. Nesse cenário, adotar tecnologias, aplicativos e soluções que agilizam e padronizam processos é economizar tempo, fator precioso para qualquer corporação.

Para garantir a qualidade do serviço oferecido, bem como o cumprimento do contrato, os resultados são analisados diariamente pela Gerente Operacional (GO). Já o desempenho depende, e muito, da atuação das Gerentes de Unidades (GU).

O papel de uma GO é semelhante a de uma diretora: ela é responsável por adequar os processos para cada unidade, caso por caso, e também pelo controle de custos acordado com os clientes. Mas, como ela não consegue estar em todas as unidades ao mesmo tempo, ela conta com a boa performance das GU, que vivem o dia a dia da empresa em que está alocada.

No entanto, você sabe tudo que uma gerente de unidade realiza diariamente e como softwares podem auxiliá-la? Continue nos acompanhando para saber mais! 🙂

Confere se a cozinha está preparada para a produção

O software garante que o espaço esteja organizado para operar na hora do atendimento, certificando-se que os equipamentos estejam com a manutenção em dia e funcionando corretamente. Cuidar para que a equipe esteja uniformizada, conforme normas da vigilância sanitária, também faz parte do processo.

A GU também cuida de tarefas recorrentes que envolvem a gestão de pessoas e a emissão das etiquetas que identificam cada preparação no refeitório. Isso pode ser realizado muito rapidamente com uma solução para a gestão que integra o planejamento de cardápio a todos os outros processos.

Divulga e coleta informações sobre o cardápio

Os dados são coletados com as pessoas que frequentam o refeitório corporativo, permitindo que a GU trabalhe na redução de desperdícios, além de realizar melhorias nas refeições e no ambiente.

O cardápio do dia pode ser emitido e colocado na entrada do refeitório, ou até mesmo disponibilizado junto à pesquisa de satisfação, em um aplicativo que facilita ainda mais a captação de feedbacks.

Calcula e lança dados diários para análise

É o caso da sobra limpa e do resto ingesta, da medição de efetivos, da contagem de catracas e do número de comensais estimados e da produção per capita. Quando essas informações são lançadas, o sistema gera gráficos e relatórios no sistema para análise e tomada de decisão da GO.

Planeja o cardápio

Planejar o cardápio é uma tarefa periódica que é feita em até três meses antes de ser servido. Na hora que o planejamento é realizado, o sistema já calcula a requisição de mercadorias com as quantidades de acordo com o número de comensais. Com esse relatório, ela realiza a retirada de estoque um dia antes da produção e confere se há alguma divergência com o mesmo. Se necessário, ela também pode realizar ajustes nas quantidades, por exemplo, no caso de redução de efetivos.

O cardápio planejado não pode ser alterado após a aprovação do cliente, mas a gerente de unidade pode realizar a manutenção na requisição de estoque, e até fazer requisições extras, em caso de aumento no número de efetivos.

Ainda sobre o estoque, a GU pode contar com um checklist de recebimento de AF (Autorização de Fornecimento) — todos os dias, ela vê quais são os produtos que estão programados para recebimento, faz a conferência de mercadoria e o lançamento das Notas Fiscais.

Controla temperatura de equipamentos

Esse processo deve ser feito todos os dias, de acordo com os termos e diretrizes das Boas Práticas de Fabricação (BPFs) e dos Procedimentos Operacionais Padronizados (POPs).

Pela legislação, é necessário que a GU registre as mais diversas medidas de segurança e de qualidade como: horário de medição; a temperatura das cubas; coleta de amostra de produto; tempo de armazenamento adequado; entre outras informações que ficam guardadas por um determinado prazo para uma possível auditoria da vigilância sanitária.

Analisa a pesquisa de satisfação

Isso além de enviar os resultados para a gerente operacional, para o cliente e para setor de qualidade.

Esses resultados podem ser objetivos — algumas empresas disponibilizam uma pesquisa que se baseia em saber se a refeição estava regular, ruim, boa ou excelente — mas, com soluções mais modernas e completas do mercado, o restaurante pode ter a opinião dos clientes em perguntas específicas, com outros tipos de avaliação (utilizando estrelas, por exemplo) e, ainda, ter os gráficos gerados automaticamente e em tempo real.

Com tantas atividades a serem feitas em um restaurante corporativo, o nutricionista, ou o gerente de unidade, agiliza todas as demandas, podendo realizá-las de onde estiver, sem a necessidade de estar na empresa. E o que é melhor: com a possibilidade de criação de checklist de tudo o que precisa ser feito.

O primeiro passo é se organizar

Aplicativos, como o TecFood Operations, permitem a gestão de tarefas diárias que têm grande impacto nos custos da unidade — certificar que os processos de produção planejados seguem o cardápio planejado, conferir se a mercadoria é suficiente, checar o funcionamento dos equipamentos, etc. —, além do agendamento das tarefas periódicas — planejamento de cardápio, contagem e controle de estoque, se atentando à validade de cada mercadoria, etc. — que, se negligenciadas, podem influenciar, e muito, no custo da unidade.

  • Contar com um sistema de gestão também viabiliza o acesso a indicadores de análise de custo e a gráficos, como por exemplo:
  • Custo planejado x realizado;
  • Custo acumulado por serviço;
  • Análise de preço unitário (PU) por dia;
  • Porcentagem de ajuste de consumo.

A tecnologia é capaz de otimizar, inclusive, a gestão do DRO, que é o relatório que define indicadores de cada unidade de alimentação. Ou seja, informações referentes a quanto foi gasto, recebido, o que irá sobrar, dentre outras.

Outra informação que o nutricionista ou gerente de unidade precisa ter de forma rápida, em aplicativos com dashboards intuitivos e eficientes, é a pesquisa de satisfação. Acompanhar diariamente as opiniões e sugestões das pessoas que consomem esse serviço permite ao GU argumentos para ajustar e melhorar a administração da unidade. E o mais importante: se ele está batendo sua meta, baseado na análise de custos.

Quer saber mais sobre essa solução? Entre em contato com um de nossos consultores no link abaixo para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto.

2019-04-03T16:32:00-03:001 de abril, 2019|Gestão em Alimentação|

Deixar um comentário

13 + 11 =