Devido à praticidade fornecida pelos tablets, muitas empresas do mercado de food service têm passado a utilizá-los como forma de gerir seus negócios com mais eficiência e agilidade, aumentar as vendas, atrair clientes, entre outros fins. Com esses aparelhos, é possível unir toda a gestão em um só lugar, distribuir tarefas para os colaboradores da empresa, monitorar as atividades e acessar os documentos e dados de qualquer local.

Presentes principalmente no setor comercial das empresas, os tablets permitem a emissão dos pedidos de compra, o registro e o controle de vendas, por meio de aplicativos que transmitem os dados para a matriz via internet. Em restaurantes, já temos os cardápios eletrônicos fornecendo diversas informações secundárias, mais completas e visuais para os clientes; nos cardápios hospitalares, eles garantem uma fidelidade de restrições alimentares aos pacientes. E as funcionalidades desses dispositivos vão crescendo a ponto de torná-los cada vez mais imprescindíveis à boa administração de todo negócio dentro do setor do food service.

Porém o impasse encontra-se no fato de que algumas companhias estão localizadas em polos industriais que não possuem acesso à internet e, portanto, não têm condições de receber instantaneamente as informações relativas às transações realizadas. Os tablets perdem, neste caso, uma de suas principais funcionalidades: a mobilidade. Afinal, é possível utilizá-los em todos os lugares, mas, sem a conexão com a internet wireless ou acesso a uma rede 3G, passam a necessitar de um sistema que possa trabalhar de forma off-line, isto é, que continue a operar normalmente e venha a transmitir os dados quando conectado. Dessa forma, torna-se necessário que o usuário se desloque até a empresa para descarregar as informações no sistema, ou até mesmo à sua própria residência, onde pode contar com o auxílio da internet.

Os tablets têm uso específico para operações em que os usuários requerem mobilidade, como os vendedores que visitam vários clientes por dia, gerentes que consolidam dados de várias filiais etc. Em aplicações utilizadas por usuários em um escritório, a interface de um sistema para desktop, por ser mais rica e robusta e oferecer mais produtividade, ainda será a preferida pelos usuários.